sexta-feira, 8 de junho de 2012

No ano de 1974, o ex-Vereador, Prefeito e Deputado Estadual - por Ijuí - Benno Orlando Burmann foi absolvido pelo Superior Tribunal Militar - após ter seus direitos políticos cassados pela Ditadura de 1964.

Notícia publicada no jornal Correio Serrano do dia 28/12/1974.

 Biografia de Benno Orlando Burmann

Ex-Vereador, Prefeito
 e Deputado Benno 
Orlando Burmann
Benno Orlando Burmann era natural de Santa Maria, RS, onde nasceu no dia 21 de julho de 1925.  Filho de Rodolfo Burmann e Delicia Burmann.
Em 1939 ele transferiu-se para a cidade de Ijuí,  onde conseguiu emprego na loja comercial de Jacob Galbinski. Trabalhou como contínuo na Associação Comercial e Industrial de Ijuí (ACI) e mais tarde tornou-se secretário da mesma. Estudou na Escola Técnica de Comércio. Em 1946, formou-se contador. Em 1947, fundou o PTB em Ijuí, sendo eleito o primeiro vereador da juventude trabalhista, na primeira composição do parlamento ijuiense.
Em 1952, foi aprovado em concurso público para o cargo de Fiscal do Imposto de Vendas em Consignações. Em 1959, foi eleito prefeito municipal de Ijuí, para o mandato de 1960 a 1964, sendo que em 1962 renunciou ao cargo de Prefeito para Assumir como Deputado Estadual na Assembléia Legislativa pelo PTB.
O destaque da administração Benno Orlando Burmann (03/01/1960 à 06/07/1963) foi a construção de redes de transmissão e distribuição de energia para o interior de Ijuí. Como prefeito deu ênfase à reparação de estradas, pontes, pontilhões e bueiros e às áreas de educação e lazer, construindo praças de brinquedo nos bairros São Geraldo, São José, Assis Brasil, Osvaldo Aranha e Penha. No lugar de Benno Orlando Burmann o então vice-prefeito, Eugênio Michaelsen, assumiu o cargo.
No ano de 1964, teve seus direitos políticos cassados pela Ditadura Militar, ficando exilado em Rivera, no Uruguai pelo período de 1966 a 1974. Lá, mesmo na clandestinidade imposta pelo cerceamento aos direitos democráticos, dedicou-se ativamente na ajuda de exilados políticos e perseguidos pela ditadura.
No ano de 1982, foi eleito novamente deputado estadual pelo PDT, partido fundado por ele em Ijuí. Além destes cargos públicos, Benno Orlando Burmann também foi presidente do Esporte Clube São Luiz, do Aeroclube de Ijuí e participante de movimentos sociais.
Foi também proprietário do moinho “Arroio do Leão”, no distrito do Chorão, além de proprietário e plantador no distrito de Mauá. Um dos fundadores da Cotrijuí.
Casado com Diva Terra Burmann, com quem teve 5 filhos: Tânia, César, Liane, Sérgio e Orlando.

Falecimento
Benno Orlando Burmann faleceu no dia 24 de julho de 2006, numa segunda-feira, às 6h30, em Porto Alegre, RS, aos 81 anos. Esteve internado no Hospital São Lucas da PUC, desde o dia 15 de julho daquele ano. Faleceu de parada cardiorrespiratória. O corpo foi velado inicialmente na Assembléia Legislativa, em Porto Alegre, onde permaneceu até às 16h daquele dia para as últimas homenagens do Parlamento gaúcho, ao homem público que fez da política um caminho para ajudar a construir na luta uma sociedade mais justa e igualitária para os gaúchos e brasileiros. Ás 16 horas da mesma segunda-feira, o corpo foi transladado de avião para Ijuí. O velório aconteceu na Câmara de Vereadores. O sepultamento aconteceu no dia 25 de julho de 2006, quando após os atos fúnebres no plenário do legislativo ijuiense a esquife foi conduzida por um caminhão do Corpo de Bombeiros que seguiu em cortejo pela rua Venâncio Aires até o Cemitério Municipal onde foi enterrado às 11h45min.
Lutador incansável das causas sociais, defensor da democracia e da liberdade de expressão, Burmann deixa um legado herdado no sangue de gerações da família. Sempre atuante mesmo depois de ter abandonado a vida pública, ajudou a formar inspirado nos ideais do trabalhismo de Getúlio Vargas a Leonel Brizola, um sustentáculo de dedicação à política.
 Era irmão do ex-prefeito de Ijuí Wanderley Burmann, já falecido; sobrinho do também Deputado Estadual Gerson Burmann (filho de Sérgio Terra Burmann, então presidente da Câmara de Vereadores, em 2006).
Postar um comentário