domingo, 12 de setembro de 2010

Neve cobriu Ijuí de branco em 1965

    A sexta-feira, dia 20 de agosto de 1965, foi uma data muito especial para a cidade de Ijuí. Nesse dia seus moradores foram acordados por um fenômeno meteorológico muito raro na região, ainda mais considerando a precipitação acumulada que foi fantástica. Aconteceu um dia de neve, como é vista nas paisagens localizadas mais aos extremos do continente. 


    A cidade ficou tomada pelos flocos brancos.


   Os telhados, as calçadas, os automóveis, tudo enfim, ganhou tons monocromáticos.


      Assim como as fotos também em preto e branco que foram tiradas aos milhares para imortalizar aquele momento inédito.


   A matéria veiculada no Correio Serrano, do dia seguinte ao evento, registra que as escolas liberaram os alunos e o mesmo aconteceu com o comércio. 


   Todos os que suportaram o frio intenso, aproveitaram para apreciar a cidade coberta de neve.


    Mas, neste dia, nem todos os expectadores eram comuns. O fotógrafo, na época principiante no universo das imagens, Ildo Weich, teve um olhar diferenciado sobre o acontecimento.


O repórter Janis Loureiro publicou no Jornal da Manhã, de Ijuí, (no dia 19 de agosto de 2006) interessante artigo relatando tudo que aconteceu nesse dia “sui generis”. 


    As fotos que ilustram a reportagem são de Ildo Weich, outros autores desconhecidos, cujos originais estão guardados no Museu Antropológico Diretor Pestana - MADP de Ijuí.  Essa reportagem está reproduzida e disponível no site/blog da Metsul Meteorologia: http://www.metsul.com/secoes/visualiza.php?cod_subsecao=32&cod_texto=208

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Presença dos moinhos na história de Ijuí - Moinho Gieseler


   Os Estudantes Charles Martin Ketzer (formando em História) e Italo Drago (pós-graduando em História) na UNIJUÍ, publicaram no dia 12 de maio de 2010, no Portal de notícias Ijuhy.com artigo que conta um pouco da história do Moinho Gieseler, um dos primeiros a se instalar em nosso município, em 1906. O mesmo foi construido por Luis Germano Gieseler, nas margens do rio Potiribu.

   No presente artigo (disponível em: http://www.ijui.com/arquivo/7577-14373 os pesquisadores procuram também discutir a importância dos moinhos na construção da sociedade contemporânea. Também retratar o espaço dos moinhos na evolução do município de Ijuí. "Moinhos estes que construidos por Imigrantes nos primeiros tempos do povoamento da Antiga Colônia Ijuhy ajudaram na própria sobrevivência alimentar dos primeiros Imigrantes e posteriormente  ajudaram a alcançar o desenvolvimento econômico de Ijuí ". (Crédito da foto que ilustra nosso blog: Portal de notícias ijuhy.com - onde há outras fotos históricas).

UMA PEQUENA BIOGRAFIA DE LUIS GERMANO GIESELER:  Este pioneiro foi homenageado com a denominação de uma rua na cidade de Ijuí, a qual está localizada no bairro Hammarström. 
    Luis Germano Gieseler nasceu na Alemanha, no dia 27 de julho de 1870. Veio para o Brasil com  seis anos de idade, acompanhando seus pais, que vieram morar em Rio Pardinho, interior de Santa Cruz do Sul. Em 1889, chegava Gieseler em nosso município, se estabelecendo  na Linha 1 Leste, nas margens do rio Potiribu, onde construiu um moinho (que começou a funcionar em 1906). Paralelamente dedicava-se também a atividade agrícola. Foi suplente de Intendente, durante a administração do Cel. Dico. Membro da Comissão de administração e fundadora do  atual Colégio Evangélico Augusto Pestana - CEAP. Veio uma falecer em Ijuí, em 1954. (Fonte: Guia Biográfico das Ruas de Ijuí, Luis Carlos Ávila, 1982, página 96).

Moinho Ijuí completou 85 anos de atuação em Ijuí

   A tradicional empresa Moinho Ijuí fundada em 1917, na vizinha cidade de Panambi (RS), por Stephan Walter, e movido na época à roda d’água, completou no mês de agosto de 2010, 85 anos de presença e atuação no município de Ijuí para onde transferiu-se em 1925. Em nossa cidade funcionou inicialmente junto a um moinho alugado nas esquinas das ruas Bento Gonçalves e Floriano Peixoto. Ali passou a ser movido por motores elétricos e com um sistema colonial de comercialização, ou seja, as pessoas traziam o trigo e levavam a farinha respectiva, pagando pelo serviço.
   O negócio prosperou e hoje a indústria funciona em amplas e modernas instalações na rua Bento Gonçalves, 266. O Portal de Notícias Ijuhy.com publicou excelente reportagem histórica sobre a empresa Moinho Ijuí, orgulho da força e trabalho de nossa gente. (Créditos da foto que ilustra nosso blog: Portal de notícias ijuhy.com - no site há inúmeras fotos históricas).
Veja a reportagem: http://www.ijui.com/arquivo/12668-19293