Personalidades históricas de Ijuí

Dunga no ataque - uma tragetória de vida e desafios!
Grande reportagem na Revista Isto É (edição 2120, de 25 de junho de 2010)  sobre a vida e tragetória do mais famoso ijuiense nos campos de futebol e no comando da seleção brasileira. 
A vida e tragetória do técnico Dunga
O título do artigo é: "Dunga no ataque. O que está por trás do estílo beliscoso do técnico brasileiro, que aposta no conflito externo para manter seu grupo fechado e conquistar a torcida". 
Como funciona a mente do treinador, segundo especialistas - Fonte: Isto É

Álvaro de Carvalho Nicofé

Importante artigo escrito pelo acadêmico do Curso de História da UNIJUÍ, Charles Martim Ketzer, (publicado no portal Ijuhy.com, dia 21 de junho de 2010. Disponível em: < http://www.ijuhy.com/noticia-ler.php?id=16254>)  que registra a passagem de Álvaro de Carvalho Nicofé na vida pública de Ijuí.
Nicofé, inicialmente,  no dia 11 de dezembro de 1943, foi nomeado pelo Interventor Federal no Rio Grande do Sul Cel. Oswaldo Cordeiro de Farias como Prefeito “Substituto” de Ijuí (após o pedido de exoneração do então prefeito Dr. Emílio Martins Bührer). Nessa função ele ficou até o dia 24 de dezembro de 1943, quando foi efetivado no cargo. Entretanto sua nomeação oficial como Prefeito de Ijuí somente aconteceu no dia em 12 de maio (conforme diz o artigo do Charles, ou no dia 04 de maio conforme registra o jornalista e pesquisador Ademar Campos Bindé, em seu livro “As Etnias em Ijuí – Os Portugueses”, v. 7, p. 67)  de 1944.
Álvaro Carvalho Nicofé administrou o município por pouco mais de um ano, vindo a pedir demissão, quando foi substituído pelo Major Antônio Setembrino Lopes, também nomeado pelo Interventor Federal do RS, em 20 de agosto de 1945. Devido ao curto período e a economia de guerra pela qual o Brasil estava passando, Álvaro Nicofé limitou-se a manter a administração rotineira do município, não deixando relatório sobre sua administração.
Além das informações citadas no artigo queremos acrescentar que Álvaro de Carvalho Nicofé chegou em Ijuí vindo de sua terra natal em 1912, quando tinha 18 anos de idade,  onde inicialmente assumiu as funções de caixeiro (empregado que atendia no balcão). Também foi juiz distrital lá pelos anos de 1917. Em 1918, assumia a gerência da Casa Dico, mas atraído pelas atividades bancárias, em 1919 ingressava como gerente do Banco Nacional do Comércio, então localizado na própria Casa Dico - (esquina da rua 7 de Setembro com a rua do Comércio) – e até então entregue ao Coronel Dico. No banco trabalho até o ano de 1934, quando foi nomeado oficial do Cartório de Registro de Imóveis do município de Ijuí, em substituição a Alcino da Fontoura Trindade, que havia se afastado das funções por motivo de doença.
“Foi também presidente do Clube Ijuí, do qual era sócio fundador, tendo sido eleito no dia 24 de dezembro de 1939, sendo empossado no baile de reveillon daquele ano. No dia 31 de dezembro de 1940 foi eleito presidente do Tiro de Guerra 337. (...) Amigo e colaborador da unidade do Exército Nacional, sediada em Ijuí, Álvaro de Carvalho Nicofé foi distinguido com o título de comandante honorário do então 7º Grupo de Canhões 75 Auto Rebocado (7º G Can 75 AR)” 02
Foi também um dos idealizadores, membro da diretoria e presidente do Hospital de Caridade de Ijuí. Além disso, teve ampla participação nos meios econômicos, sociais, religiosos e políticos do município de Ijuí. Veio a falecer em nossa cidade, no dia 20 de junho de 1964, com a idade de 78 anos.

Fontes: 


1.     ÁVILA, Luis Carlos. Guia Biográfico das Ruas de Ijuí. Ijuí, RS, 1982.
        2.     BINDÉ, Ademar Campos. As Etnias em Ijuí, v. 7 – Os Portugueses. Ijuí, RS, 2007. 
        3.  KETZER, Charles Martim. Personalidade Pública de Ijuí: Álvaro de Carvalho Nicofé. Artigo publicado no Portal Ijuhy.com, no dia 21 de junho de 2010. Disponível em: <http://www.ijuhy.com/noticia-ler.php?id=16254>.


Abílio Botega
      Era natural de Cachoeira do Sul, onde nasceu no dia 14 de novembro de 1919. Em 1922, acompanhando seus pais foi morar em Catuípe. Já em 1943, Abílio contraiu matrimônio, transferindo-se então sua residência para a cidade de Ijuí, onde trabalhou durante 17 anos na firma Artefatos de Madeira Schmidt. Mais tarde tornou-se acionista desta mesma indústria. Milita nas fileiras do PTB, por cuja legenda foi eleito vereador, com expressiva votação. Foi também um dedicado defensor da classe operária, com extensa folha de serviços prestados à classe. Veio a falecer tragicamente no dia 14 de junho de 1963, em acidente automobilístico na estrada que liga as cidades de Bagé/Dom Pedrito. Como era muito estimado pela comunidade ijuiense seu enterro foi acompanhado por mais de mil pessoas e mais de cem veículos.

Adir Epaminondas Schirmer
 
     Nasceu em Tucunduva, dia 16 de fevereiro de 1943. Veio para Ijuí, ainda criança, acompanhando seus país. Aqui ajudouo pai no serviço de atendimento de um armazém (que se localizava na baixada da avenida Cel. Dico). Aos 17 anos ingressou no então Banco Sul Brasileiro. No banco trabalhou 12 anos. Além de fazer parte da equipe esportiva da casa bancária, foi um dos fundadores da equipe esportiva "Estrêla Vermelha". Veio a falecer em 19 de abril de 1974, em nossa cidade.

Postar um comentário