domingo, 13 de fevereiro de 2011

Monumentos existentes na Praça da República - a maioria não está mais em seu local original

Observem que na inauguração do busto em homenagem ao engenheiro Augusto Pestana, no dia 19 de outubro de 1940, o mesmo está de costa para a Igreja da Natividade, antigo Salão do São Luiz e a rua "Praça da República", diferente da situação atual.
A foto da década de 40, foi tirada provavelmente no dia da inauguração do busto em homenagem ao engenheiro Augusto pestana, ou seja no dia 19 de outubro de 1940. A direita, o primeiro ao lado do busto é Crisanto Leite, que foi coletor estadual. A esquerda de terno claro e óculos, João Hoffmann, que era conhecido como João “da Ponte”, por fabricar pontes. Ao fundo o Salão Paroquial São Luiz, ainda em construção pela Igreja da Natividade.  Fonte da foto e texto: Jornal da Manhã, edição do dia 19/10/1991.

Busto e monumento em homenagem ao Dr. Augusto Pestana
É o mais antigo monumento construído na Praça da República, numa justa homenagem ao principal impulsionador do desenvolvimento da Colônia de Ijuí, e também seu primeiro Intendente.
Sua inauguração aconteceu no dia 19 de outubro de 1940, dentro das comemorações do cinqüentenário da colonização de Ijuí. Além do busto foi colocado também um escudo da República do Brasil e ainda uma placa com os seguintes dizeres: “Ao benemérito engenheiro Augusto Pestana. O povo de Ijuí”.
Segundo o historiador e jornalista Ademar Campos Bindé, a “...atuação de Augusto Pestana como administrador da então Colônia de Ijuí começou no dia 1º de janeiro de 1899 e se estendeu por quase 14 anos. O coroamento de sua obra foi a emancipação da Vila de Ijuí e a sua elevação a município autônomo, no dia 31 de janeiro de 1912, quando assumiu como primeiro Intendente (provisório) de Ijuí até 11 de junho daquele ano, passando então o cargo ao seu sucessor, Antônio Soares de Barros, o Coronel Dico...”

Vários monumentos e até mesmo o busto e monumento em homenagem ao engenheiro Dr. Augusto Pestana trocaram de lugar. Por quê?....

Ao escrevermos este registro fizemos uma pequena e ao mesmo tempo grande descoberta, significativa e histórica, mas que não vem diminuir em nada a homenagem  realizada  pelo povo de Ijuí ao grande administrador  e um dos idealizadores da Colônia de Ijuí. Serve apenas como mais uma curiosidade na história de Ijuí.

Observando mais acuradamente a primeira foto  que ilustra este “post” notamos que a posição e o lugar do monumento atualmente está em local diferente de seu estado original. Claramente dá para ver e observar na foto que o busto (e o monumento) está de costa para a rua que passa na frente da Igreja da Natividade e antigo Salão do São Luiz denominada “Praça da República”. Já o atual monumento hoje (foto acima - em sua essência o mesmo) não está mais naquele local original e sim - em algum tempo e motivo que não sabemos – foi transferido para o lado direito, a poucos metros de seu ponto inicial. Ou seja, está de costa para a rua Benjamin Constant, lado oeste da Praça. Acreditamos que isso tenha acontecido durante alguma reforma/melhoramento executado na Praça da República. Encontramos mais duas fotos antigas da Praça da República que comprovam que o monumento em homenagem a Augusto Pestana por muito tempo estava no lado sul da Praça:

Não sabemos qual a data da foto, mas aqui Augusto Pestana aparece de frente para a Preitura Municipal, isto é, em seu lugar original.
Nessa aqui, outra foto da Praça da República de 1940, tirada talvez a partir do atual Clube Ijuí , mostra ao fundo (em destaque) o monumento em homenagem a Augusto Pestana também em seu lugar original.
Outros monumentos da Praça da República também trocaram de lugar
Uma visão parcial de onde estão os monumentos/bustos na Praça da República. Aqui nos serve como ilustração: O monumento em homenagem a Getúlio Vargas está bem a esquerda da foto (fora do foco); a seguir o monumento a Bíblia; aos fundos em homenagem ao "Dia do Colono"; a direita e lateral da foto homenagem ao Cel. Dico e bem a esquerda (fora do foco da foto) está a homenagem ao Dr. Augusto Pestana.
     
Diante do fato acima registrado - de que havia algo diferente - troca de posição  no monumento - fomos pesquisar, e encontramos um importante artigo e registro  do historiador Ademar Bindé sobre "Os monumentos da Praça da República", publicado no jornal “O Repórter”, edição do dia 04/10/2008. 

No mesmo ele apresenta cada um deles e trás um pequeno histórico. Até comenta que alguns deles foram mudados de lugar, mas em nenhum momento comenta que também o do dr. Augusto Pestana está em lugar diferente do original.


Obelisco em homenagem ao "Dia do Colono!"

O obelisco em homenagem ao “Dia do Colono” foi inaugurado em 25 de julho de 1950, com uma placa de bronze onde está escrito: “25 de julho – Homenagem ao Colono no 126º aniversário de imigração alemã. O povo de Ijuí – 1824-1950”. Interessante observar que existem sinais no monumento que havia ainda uma outra placa, mas parece que a mesma foi arrancada, talvez até roubada. O que estava escrito nela não sabemos.
Bindé informa, ainda, que o monumento em homenagem ao “Dia do Colono” (hoje localizado bem onde estava o do dr. Augusto Pestana) estaria inicialmente colocado  no lado norte da Praça da República ou melhor, bem no meio da Praça da República como podemos observar claramente em mais uma foto antiga da praça, sendo mais tarde transferido para o local onde atualmente se encontra.

Na foto (Coleção Família Beck, arquivo do MADP) aparece a Praça da República com as remodelações sofridas na década dos anos de 1940. Nela podemos ver claramente o monumento em homenagem ao "Dia do Colono" - (do Imigrante), no centro da Praça. Mais tarde ele será então transferido para a área sul da Praça, local atual, paralelo a rua Benjamin Constant e lateral a rua "Praça da República". Aproveitando  o visual da foto podemos ver também na mesma Praça as casinhas dos poços artesianos e da sede central do setor de energia elétrica (que administrava e distribuia a energia  vinda da Usina velha, situada no rio Potiribú).  Aparece, ainda, ao fundo, a partir do lado esquerdo: o edifício Scharnberg (esquina com a rua do Comércio); a loja Riograndense de Queruz Craidy (onde hoje está o edíficio Nelson Lucchese); o banco da Província (onde funcionou o antigo banco Sul Brasileiro e hoje o banco Santander); e depois temos a residência de Miguel Jorge Capssa (hoje local de várias lojas comerciais). Fonte das informações históricas: Ademar Campos Bindé, artigo "A Praça da República de antigamente", publicado no jornal "O Repórter", de Ijuí, edição do dia 07/07/2010.


Outro ângulo do monumento aos imigrantes no centro da Praça da República, julho de 1940

Homenagem ao presidente Getúlio Vargas

Junto ao busto está também a sua Carta Testamento
O monumento em homenagem a Getúlio Vargas (presente do então governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola),  juntamente com sua “Carta Testamento”, inaugurado no dia 24 de agosto de 1958, (dentro das solenidades do 4º aniversário de sua morte) estaria inicialmente colocado na parte sul da Praça, mais tarde transferido para o lado leste, onde está hoje.

Homenagem a Antônio Soares de Barros - o Cel. Dico


O busto de Antônio Soares de Barros, também inaugurado em 1958, dia 19 de outubro, está no lado oeste da Praça da república, de costa para a rua Benjamin Constant, e no seu lado esquerdo está  o monumento de Augusto Pestana, que “migrou “ do lado sul para oeste.

Monumento a Bíblia - está bastante danificado e carece de uma atenção especial
O monumento alusivo a Bíblia Sagrada, que também está na Praça da República, no lado leste e entre o de Getúlio Vargas e o obelisco do “Dia do Colono”, foi inaugurado no dia 08 de dezembro de 2002. Lá está escrito o seguinte: “Bem aventurada a nação cujo Deus é o Senhor! Salmo 144:15”. Pelo que saiba esse está até agora em seu lugar original.
Enfim, nosso alvo principal era fazer uma pequena apresentação e resgate histórico dos monumentos existentes na Praça da República, e o fato de observar/saber que a maioria deles já trocaram de lugar é  apenas mais uma curiosidade histórica de nossa cidade. Talvez alguém de nossos leitores, ou pessoas mais antigas, possa nos ajudar a esclarecer melhor os motivos para tanta troca de lugares destes ilustres homenageados.
Postar um comentário