domingo, 27 de maio de 2012

Museu Antropológico Diretor Pestana - MADP de Ijuí completou 51 anos de existência!


Texto escrito por Stela Zambiazi de Oliveira
(Publicado originalmente no dia 26 de maio de 2012, no Portal Ijuí.Com – Disponível em: http://www.ijui.com/especiais/artigos/35103-museu-antropologico-diretor-pestana-os-seus-51-anos-por-stela-zambiazi-

O Museu Antropológico Diretor Pestana, mantido pela Fundação de Integração, Desenvolvimento e Educação do Noroeste do Estado – FIDENE, foi criado em 25 de maio de 1961, com o objetivo de resgatar e preservar a memória regional, promover a cultura, a educação e o lazer.
Stela Mariz Zambiazi de Oliveira
  é a atual diretora do MADP
Hoje, dia 25 de maio, o Museu Antropológico Diretor Pestana - MADP - está de aniversário.
São 51 anos de sonhos e ideais, sempre com o objetivo de buscar maior visibilidade a esta instituição de memória, atraindo os mais diversos segmentos sociais, seja através de exposições ou de outras ações educativas desenvolvidas com o intuito de disseminar conhecimentos ou oferecer formas de laser e entretimento, como um processo capaz de incentivar novos diálogos.
O Museu é um lugar de aprendizado, é um lugar vivo, de socialização. Nele nós preservamos a memória das identidades individuais e das memórias coletivas e culturais. Muito do passado das gerações que por aqui passaram estão preservadas pelo Museu. São peças museológicas e documentais que ao longo destes 51 anos foram preservados junto ao acervo.
A Semana de Aniversário do Museu iniciou sua programação no dia 17 de maio encerrando-se hoje. Foram várias atividades desenvolvidas nestes dias. Como atividade paralela a Exposição “Conhecer para Preservar: plantas medicinais e aromáticas e princípios bioativos”, acontecerá uma palestra sobre o preparo e uso de plantas medicinais, com a professora da UNIJUÍ, Chistiane Coleto, hoje, dia 25 de maio, no Auditório do Museu, às 19h30min.
 O museu conta hoje com nove técnicos-administrativos e dois estagiários. É dirigido pela Diretora Stela Mariz Zambiazi de Oliveira, conta com a seguinte equipe: Museologa, Educadora do Museu, Arquivista, Técnico Fotógrafo/Laboratorista, Assistente de Pesquisa e Extensão, Assistente de Museu e Auxiliar de Limpeza, Copa e Cozinha.
O Museu, Instalado, inicialmente, em prédio alugado, possui hoje sede própria, com área de 1.641m², climatizada. É constituído por mais de 30 mil objetos museais, além de um acervo documental riquíssimo, disponibilizados ao público através das exposições de longa duração, itinerantes e temporárias e disponíveis à pesquisa nos espaços específicos do Museu.
Possui, também, uma reserva técnica e espaço específico destinado à guarda documental com 975,56 metros lineares de documentação.
Dos 1.641m², 503m² são ocupados pela Exposição de Longa Duração, onde estão retratados aspectos da caminhada do homem que viveu e vive nesta região do Estado, especialmente no município de Ijuí, desde o índio pré-missioneiro, primitivo habitante desta região, com seus instrumentos em pedra e cerâmica, seguida do índio missioneiro, do negro e do caboclo que aqui habitaram antes da chegada dos imigrantes.
 Aspectos da fundação e colonização do município, a imigração, as diferentes fases da agricultura e trabalho rural, os processos produtivos artesanais, comunicação e transporte, indústria e comércio, energia elétrica, serviços, esporte e lazer, ensino, religião, usos e costumes e a moradia são igualmente mostrados.
A exposição também tem espaço reservado às manifestações culturais da atualidade.
Ainda, com relação a espaço físico, o museu disponibiliza a seus visitantes, outra área, com 135m², para exposições temporárias, a fim de possibilitar a apresentação de outras manifestações culturais e, ao mesmo tempo, atrair públicos com interesses diferenciados. Contíguo a esse espaço, há ainda, um auditório para 60 pessoas, todo equipado.
O acervo museológico é constituído, desde 1961, através de doações da comunidade, e totaliza hoje cerca de 30.000 objetos, assim classificadas: 24.217 relacionadas à Seção Arqueológica, fruto de pesquisas realizadas na região em conjunto com o Instituto Anchietano de Pesquisas da Universidade do Vale dos Sinos - UNISINOS e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, quando foram localizados 134 sítios arqueológicos; outras 5.000 peças pertencem à Seção Antropológica, que subdivide-se em: Indígena, Artes Visuais, Numismática, Filatelia e Povoamento.
O acervo documental arquivístico do Museu é constituído de valiosa, abrangente e volumosa documentação de natureza pública e privada relacionada ao município de Ijuí e à região noroeste do Rio Grande do Sul.
Em seu conjunto documental encontra-se preservada parcela significativa da memória regional, que o torna referência para estudantes e pesquisadores da cultura e da história de Ijuí e região.
A documentação textual, bibliográfica e iconográfica está classificada em arquivos, entre eles o arquivo Ijuí, Regional, Sindicalismo, Cooperativismo, Kaingang, Guarani e Xetá, e Fidene, totalizando 975,41 metros lineares de documentos.
O Museu dispõe em seu acervo de uma Hemeroteca, cujo objetivo principal é preservar os jornais produzidos no município de Ijuí, os de cunho histórico e político, que apresentem temáticas relacionadas a indígenas e ao patrimônio histórico-cultural, totalizando 39 títulos de jornais.
Entre os títulos preservados, o Jornal Die Serra Post possibilita resgatar a história do município de Ijuí a partir de 1911, e o Jornal Correio Serrano, editado pela primeira vez em 1917. Os mesmos deixaram de circular respectivamente em 1978 e 1988, sendo microfilmados e digitalizados, e atualmente são disponibilizados para pesquisa através de banco de dados no Museu.
Entre os gêneros documentais, o Museu também preserva fotografias, negativos flexíveis, negativos de vidro, discos, fitas, filmes e vídeos, classificados e organizados em arquivos e coleções na Divisão de Imagem e Som.
O acervo fotográfico é constituído de aproximadamente 300 mil imagens, em sua maioria, relacionadas a fatos vinculados a Ijuí que possibilitam reconstituir a história através de imagens a partir de 1902, portanto, antes da instalação oficial do município.
Deste acervo fazem parte as produções fotográficas de dois dos mais antigos fotógrafos do município: a Família Beck e Eduardo Jaunsem, cuja produção possibilita recuperar parcela significativa da história urbana e rural do município/região, até meados do século XX. O acervo iconográfico conta com aproximadamente 14 mil negativos em vidro.
O Museu Antropológico Diretor Pestana é uma mantida da FIDENE.
Durante toda esta trajetória o Museu, enquanto guardião de objetos culturais mantém constante a preocupação em democratizar informações, conhecimentos, saberes, fortalecendo a troca de experiências, permitindo mediações pedagógicas, considerando também as experiências e expectativas dos professores e seu grupo de escolares e os programas curriculares.

Conheça ainda mais o MADP através de seu vídeo institucional:

Passeio virtual pelo Museu Antropológico Diretor Pestana de Ijuí:

Ainda para conhecer mais sobre a história, atividades e propostas do MADP leia também:

Postar um comentário