sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

A história da cidade de Ijuí registrada nas imagens fotográficas da Família Beck: Carlos Germano Beck (pai) e de Alfredo Adolfo Beck (filho)

Fotográfo Carlos Germano Beck e sua família. Foto tirada na Linha 2, ano de 1901. Fonte: MARQUES, Mário Osório; GRZYBOWSKI, Lourdes Carvalho. História Visual da Formação de Ijuí, MADP/UNIJUÍ Editora, p. 34.


Um pouco da história da Família Beck...

Os fotógrafos Carlos Germano Beck (pai) e Alfredo Adolfo Beck (filho) foram importantes e históricos fotógrafos de Ijuí. Suas imagens registram a história do município em diversos aspectos como: genealogias, paisagens, vistas urbanas e rurais, fenômenos da natureza, objetos, arquitetura e construções, comunicação e transportes, política, economia, religião, vida social, educação e cultura. Grande parte dos negativos e cópias de suas imagens estão hoje guardadas (e também disponibilizadas) no Museu Antropológico Diretor Pestana – MADP de Ijuí.
Atualmente a Coleção Família Beck no Museu Antropológico Diretor Pestana de Ijuí conta com mais de 7.500 imagens e começou a ser formada em 1982 a partir da compra de parte do acervo de negativos de vidro. Anos depois, o próprio fotógrafo Alfredo Beck doou parte do acervo particular à instituição. Além de Alfredo Beck, seus outros irmãos também se dedicavam à fotografia.
Segundo Ivo Canabarro, a Família Beck imigrou da Alemanha para o Rio Grande do Sul no final do século XIX como colonos agricultores. Inicialmente, dedicaram-se às atividades agrícolas e à criação de animais. O pai, Carlos Germano Beck, retratou a região desde o início da ocupação oficial, em 1890. Dedicou-se algum tempo a agricultura e à fotografia simultaneamente, sendo um fotógrafo itinerante, pois percorria a Região Noroeste do RS, deixando o trabalho na unidade produtiva para a esposa, filhos e empregados.
O oficio de fotógrafo foi passado para os filhos homens. Começaram o aprendizado com os trabalhos de revelação no laboratório, instalado na própria residência e depois acompanhavam o pai na atividade itinerante. Essa atividade permitiu a expansão e a popularização da fotografia na região. Além da câmara fotográfica, levava alguns equipamentos para a instalação de um estúdio ao ar livre, principalmente um painel para cobrir a parede das casas. O trabalho como fotografo itinerante foi acompanhado pela atividade de cinematógrafo ambulante, pois faziam projeções de filmes para atrair a atenção do público para o serviço de retratos.
Os cenários usados pelos Beck eram pintados em tecido de algodão e incluem uma paisagem em preto e branco e uma paisagem com colunas (compradas antes de 1920), colunas feitas em Ijuí pelo pintor Scheid (cerca de 1928), cenários de flores comprados em “Três de Maio”, do professor Prauchner, a partir de 1936.

Fonte: In: Cidades do Século XX Catálogo de acervos no Rio Grande do Sul. Março 2011. Disponível em: http://fotografiaecidade.files.wordpress.com/2011/04/catalogo_acervos1.pdf

Jornal Correio Serrano do dia 19/10/1974.
Alfredo A. Beck, no Informativo "Kema" do Museu Antropológico Diretor Pestana - MADP de Ijuí.
Postar um comentário