quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Série Etnias que colonizaram o município: Centro Cultural Austríaco de Ijuí



Centro Cultural Austríaco de Ijuí

O Centro Cultural Austríaco de Ijuí foi fundado em 25 de Novembro de 1987 e em 14 de Outubro de 1988 sua Casa Típica. Seu primeiro Presidente foi Luiz Hocevar Filho.
Os Austríacos, são conhecidos como um povo alegre e culto, que gosta do bom viver. Amam a música, a cultura, a dança, as artes e os esportes. São muito dedicados ao trabalho, sendo a persistência e a tenacidade algumas de suas qualidades mais marcantes.
O Centro tem como objetivos, cultuar as tradições de seus antepassados, imigrantes vindos da Áustria, além de ser um espaço de divulgação e de resgate da cultura, folclore, história, gastronomia e outras formas de expressão artísticas e culturais austríacas.
 O ambiente da Casa Étnica em estilo tirolês, com móveis no estilo barroco ou rústico, mantém-se sempre bem ornamentada com flores, objetos artesanais, toalhas e cortinas nas janelas. Como fundo musical são tocadas músicas clássicas.
 O Centro Cultural tem se dedicado a formação de grupos de danças folclóricas, corais de senhoras, bandinhas de música, artesanato. Intercâmbios culturais com outras cidades e demais etnias instaladas no Parque de Exposições. Também mantém um Departamento de Pesquisa Histórica com Mini-Museu.
Na gastronomia o Café Vienense tem sido sua maior atração, servido com torta, doces e salgadinhos. Também tem promovido almoços e jantares com comida típica austríaca.
Junto ao Mini-Museu são mantidos os arquivos de pesquisa histórica, fotografias de famílias de descendentes austríacos, jornais, livros, revistas, quadros, louças e objetos artesanais. Também foi elaborado um cadastro dos descendentes austríacos com a finalidade de uma constante renovação e participação de novos colaboradores do Centro Cultural.

Os imigrantes austríacos

Os imigrantes austríacos que chegaram a colônia Ijuí em 1893 totalizavam um grupo de 172 pessoas. Vieram da cidade de Steyer, da Alta Áustria.
Os homens eram trabalhadores metalúrgicos demitidos de uma fabrica de armamento, portanto, nada conheciam sobre agricultura.
Tomaram a decisão de permanecerem unidos, tendo sido localizados junto as terras da Linha 5 e Linha 8 Leste. A adaptação a essa nova vida foi muito difícil, num ambiente precaríssimo e desconhecido.
Com muita coragem, perseverança e determinação venceram todas as dificuldades e obstáculos. Da sua união, surgiu um acentuado espírito comunitário de mútua ajuda e colaboração.
Passados 5 anos, com suas casas já construídas e suas lavouras sendo cultivadas, preocupados com a educação e alfabetização de seus filhos, fundaram em 12 de outubro de 1998 a 1ª Escola Particular, a Sociedade Escolar Austro-Húngara, juntamente com a escola também funcionou a Sociedade Esportiva e Recreativa 12 de Outubro, com sede na Linha 6 Leste, que passou a chamar “Rincão dos Austríacos”.
Em 10 de Agosto de 1908, os imigrantes austríacos, juntamente com imigrantes alemães e holandeses, fundaram a Sociedade Atiradores Tell, na Linha 6 Norte. Atualmente a Sociedade Atiradores Tell esta situada na Linha 8 Norte para onde foi transferida e construída sua sede oficial.
Ao passar dos anos a Colônia Ijuí, transformou-se em Vila e de Vila em Cidade. Nesse processo de mudanças, os austríacos da Linha 6 e arredores, foram se transferindo para a cidade de Ijuí e municípios vizinhos passando a se dedicar as mais diversas atividades. Permaneceram ainda no Rincão dos Austríacos, algumas famílias de descendentes austríacos que continuam a se dedicar a atividade agrícola.

GRUPO "LUSTIGE TIROLER"
 O folclore austríaco é preservado pelo grupo de danças Juvenil “Lustige Tiroler” e pelo infantil “Tanz Gruppe Sissi” que estrearam no dia 03 de setembro do ano de 1988 e desde lá participam de diversas atividades culturais. Em seu currículo, estão centenas de apresentações nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Brasília (DF), Argentina e Áustria, levando através de seus integrantes seus diversos trajes típicos, danças e costumes.
O grupo de danças desde a sua fundação vem servindo como uma entidade capaz de socializar e integrar jovens de todas as classes sociais e até mesmo étnica de nossa cidade. É através da dança que os jovens são atraídos para atividades lúdicas que contribuem na vida e na formação dos integrantes do grupo. São trabalhadas questões como comportamento, coordenação motora, convívio social e diversas outras atividades que exercitam o corpo e a mente de cada jovem envolvido. É nesse grupo que muitos jovens tem a oportunidade de ampliar seus horizontes pessoais e profissionais, pois através do convívio, seja em ensaios ou em viagens, é que são reconhecidos como pessoas capazes e responsáveis. Todos os anos abre novas vagas para seu elenco, permitindo a novos integrantes a oportunidade de poder participar das atividades que realiza e das quais participa também.
 O grupo tem por objetivo proporcionar aos seus integrantes conhecimentos sobre o país do qual representa e do nosso Brasil.
Na sociedade, tem a função de levar um pouco de conhecimento para o público em geral sobre os costumes de um dos povos colonizadores do nosso município, resgatando as lutas e conquistas que estes tiveram quando aqui chegaram até os dias de hoje.
A alegria é ainda mais evidente quando o grupo de danças “Lustige Tiroler” com seus trajes e habilidade, abrilhantam o Palco e encantam o público. O grupo traz um amplo repertório de danças folclóricas, que mantém intactas suas características originárias, o Schuhplattler, uma das mais antigas formas de danças européias, praticado nas regiões alpinas da Áustria, com origem aproximadamente no período Neolítico (3.000 a.C.) e ainda danças com coreografias estilizadas. Os ritmos executados pelo grupo são a valsa, que teve sua origem na Áustria, a polka e a marcha. Os passos são executados entre os casais mostrando a beleza, sincronia e a musicalidade do povo austríaco.
Um espetáculo que dura de trinta minutos à uma hora, traz ao público a sensação de uma viagem no tempo, um retorno a um passado onde as coreografias retratam costumes e hábitos de uma época onde a dança era a expressão cultural de um povo.

 Curiosidades

Intercâmbio de Cultura Áustria e o Brasil, Brasil e a Áustria... Dois países tão distantes e tão diferentes?
 Das culturas aparentemente opostas: o samba carioca e a valsa vienense, o vinho das margens do Danúbio, a cachaça de Rio Claro, o brigadeiro e sachertorte, a feijoada e o schnitzel.
Mas quando mergulhamos nessas culturas descobrimos muitas conexões: a paixão pela música, pela literatura, pela arte, a grande influência de imigrantes nessas áreas, a contribuição de várias etnias e religiões que soma em que chamamos de cultura. As paisagens espetaculares, os rostos estressados e sofridos, as histórias de guerra e pobreza, o grande indesmentível amor pela vida, liga as pessoas na Áustria e no Brasil.
Achamos as cores de Habsburgo na bandeira, a austríaca Leopoldina homenageada numa escola de samba, a cadeira de balanço entre as obras de Drummond e Stefan Zweig escrevendo: “Brasil, um país do futuro”. Achamos a caipirinha em todo bar, havaianas nas margens dos lagos, camisetas da seleção brasileira em todo campo de futebol, o samba e o forró nas boates: a cultura brasileira está cada vez mais presente na Áustria.
Celebramos essas ligações – de repente – tão óbvias e promovemos o intercâmbio de cultura tão valioso entre esses dois países, muitas vezes tão distantes, mas, sobretudo interdependentes e interligados. Celebramos a cultura brasileira e a cultura austríaca, e também uma cultura muito promissora e inovadora, a austro-brasileira.
Fonte: http://marciareis.com/ambrau.br.html

Chega de imigrantes Austríacos na Colônia Ijuhy

Segundo registros conhecidos, os irmãos Ernesto e Augusto Schmorantz teriam sido os primeiros imigrantes austríacos a chegar na Colônia Ijuhy em abril de 1891. No ano seguinte chegaram as famílias de Franz Ceka, Joseph Müller, Olienciczuk, Droppa e Rinkoven.
No dia 24 de Fevereiro de 1893 um  grupo de 172   pessoas, imigrantes austríacos, chegou a Colônia de Ijuhy, entre os quais citamos as famílias Buchner, Haiske, Schultz, Berenhäuser, Seibitz, Samrsla, Hocevar, Gruber, Printz, Streicher, Lindorfer, Pranzl, Schaffazik, Spannring, Engleitner, Breit, Prauchner, Krüger, Lindemayer, Elias, Vorraber, Guth, Novotny, Marhold, Feigel, Gabriel, Kühas e Steurer. Ainda em 1893 chegaram as famílias Kettenhuber, Nussbichler, Zeilmann, Mischaw e Feldmayr.
 No ano de 1900, vindos da Áustria, desembarcou em Porto Alegre o casal Roberto Löw e Júlia Herock Löw. Em 1911, Roberto Löw veio para Cruz Alta, onde no dia 12  de maio fundou  o jornal “Die Serra-Post”, em língua alemã, que no ano seguinte foi transferido para Ijuí, dando origem ao surgimento do “Correio Serrano”, a partir de 5 de novembro de 1917.

Culinária: Bolinho Tirolês

Ingredientes para 4 pessoas:
4 pães de 50 gr cada do dia anterior, ou uma bengala,
½ xícara de leite,
2 ovos
100 gramas de bacon
1 cebola pequena
100 g de lingüiça
1 colher de sobremesa de salsa picada
Sal, se necessário
2 a 3  colheres de farinha de trigo

Modo de Preparo:
Cortar os pães em quadradinhos e por em uma vasilha.  Misturar o leite com os ovos e despejar sobre os pães.Cortar o bacon em quadrados bem pequenos e fritar em uma frigideira, acrescentar a cebola bem picada e fritar até ficar transparente, deixar esfriar e misturar ao pão, juntamente com a salsa.
Por uma panela com mais ou menos 1 ½ litro de água para ferver, com ½ colher de sopa de sal. Adicionar 1 a 2 colheres de farinha, se necessário e misturar bem. Com as mãos enfarinhadas, formar bolinhos de uns 4 cm de diâmetro bem redondos e firmes e soltar na água fervendo, abaixar o fogo e deixar fervilhar por uns 15 minutos.
Servir com chucrute bem temperado e carne de porco assada. É um prato típico do Tirol.

Diretoria Austríacos 2012

Presidentes de honra: Carlos Prauchner, Alfredo Prauchner;
Presidente: Marlene Vontobel;
1° Vice-Presidente: Elemar Ketenhuber;
2° Vice-Presidente: Alexandre Wachter Atkinson;
1° Secretária: Sueli Eickhoff Diemer;
2° Secretária: Andéia G. da Costa Ceratti;
3° Secretária: Erika Brudner;
1° Tesoureiro: Renato Luis Kamphorst;
2° Tesoureiro: Carlan Uhde;
Conselho Fiscal: Luis Hocevar Filho, Ricardo Mirom, Eugenia Mirom;
Suplentes Conselho Fiscal: Elói Samersla, Elenita Ceratti, Anita Samersla;
Depart. Patrimonial: Ricardo Mirom, Vera Mirom, Glaci Prauchner;
Depart. Artístico Cultural: Luis Hocevar Filho, Elisiane Thomé da Cruz Suckel, Taise de Moraes Schulte, Ariel Ruver Wachter;
Depart. Histórico e Pesquisa: Elói Samersla, Roseli Correia;
Depart. Decoração e Arte: Adelino Elling Samersla, Haidê Copetti;
Depart. Social e Marketing: Maria Alice Aristimun do Ribeiro da Rosa, Vilja Vagner, Mateus Korb;
Depart. de Projetos: Roseli Correia, Elemar Ketenhuber;
Depart. de Musica: Renato Luis Kamphorst, Rosane Back, Valdemar Novisk.

Fonte das fotos e textos: Site da EXPOIJUÍ/FENADI, etnia Austríaca. Disponível em: http://www.expoijuifenadi.com.br/pagina-268-austricacos.fire#panel-1
Postar um comentário